Script para instalação do Zabbix Server 4.0.X no Slackware 14.2

Salve Salve Pessoal!

Para quem acompanha o blog, viu que um dos meus últimos posts foi um script para instalação do Zabbix 3.4.X no Slackware 14.2, se você não viu, o link do post está abaixo:

Script para instalação do Zabbix Server 3.4.X no Slackware 14.2

Hoje foi lançado o Zabbix 4.0.0 LTS, fiz as alterações necessárias no script e criei um novo diretório no GitLab para está nova versão, o procedimento de instalação é o mesmo que a versão 3.4.x.

https://gitlab.com/eurodrigolira/slackware

Então podem baixar e fazer a instalação dessa nova versão, já testei e está funcionando perfeitamente.

Se estiver com dúvida sobre o procedimento de instalação, basta seguir os passos do vídeo abaixo:

Até a próxima 😀

Lançado VMware Workstation/Player 15

Salve Salve Pessoal!

A VMware lançou o VMware Workstation e Player 15, ele veio com uma interface diferente da versão anterior e com diversas novidades.

Entre as novidades podemos citar:

  • Atualização da interface
  • Nova Rest API
  • Melhor ajustes de tela para monitores com resoluções mais altas
  • Aprimoramento do Hardware 3D
  • Suporte ao vSphere 6.7, podemos visualizar os hosts e o cluster
  • Conexão SSH as VMs Linux (para mim a melhor de todas 😀 )

Entre outras atualizações.

Falando um pouco sobre essa nova feature do acesso SSH as VMs Linux, só irá funcionar estivermos usando o Windows 10 versão 1803 ou superior, o recurso também funciona para hosts do vSphere, ESXi e Workstation conectados remotamente via IP.

Fiz um vídeo fazendo uma pequena demostração dessa nova feature.

Agora é só baixar e se divertir.

Para maiores detalhes sobre o lançamento e download, acessem o link abaixo:

https://blogs.vmware.com/workstation/2018/09/workstation-15-is-here.html

Até a próxima 😀

Script para instalação do Zabbix Server 3.4.X no Slackware 14.2

Salve Salve Pessoal!

Alguns meses atrás, fiz um post mostrando como fazer a instalação do Zabbix Server no Slackware 14.2, para maiores detalhes sobre o post acessem o link abaixo:

Instalando o Zabbix 3.4.* no Slackware 14.2

Para poder automatizar o processo e ajudar ao pessoal, criei um script para fazer todo o trabalho por nós 😀

O script é simples, basta você baixar, dar permissão de execução e executar o mesmo, será solicitado apenas usuário e senhas para o banco de dados mysql.

O script está disponível no meu repositório do GitLab, segue o link abaixo.

https://gitlab.com/eurodrigolira/slackware

Também criei um vídeo mostrando todo passo-a-passo de instalação.

Qualquer dúvida estou a disposição, caso queiram fazer algum comentário sobre o script fiquem a vontade, todos serão bem vindos.

Até a próxima!

Utilizando o YUM – Parte 01

Salve Salve Pessoal!

Resolvi fazer uma serie de posts sobre como utilizar YUM.

Muitas pessoas utilizam está ferramenta diariamente para instalação ou remoção de pacotes, mas não sabem de várias coisas que podemos fazer com ela.

YUM (Yellowdog Updater Modified) é o gerenciador de pacotes dos sistemas operacionais Red Hat / CentOS / Oracle Linux e derivados, normalmente consulta as informações sobre esses pacotes nos repositórios habilitados no sistema, faz a instalação ou remoção dos pacotes, além de poder atualizar o sistema inteiro para uma versão mais nova, a resolução de dependências é automática, portanto, é capaz de instalar automaticamente todos os pacotes dependentes disponíveis.

Também podemos configurar repositórios adicionais e plugins que aprimoram e estendem seus recursos.

Para começar, vamos entender um pouco a arquitetura dos pacotes RPM, os diretórios e arquivos de configuração do yum.

O yum faz a instalação de pacotes .rpm, que são os pacotes suportados pelo Red Hat / CentOS / Oracle Linux e derivados, ele tem o seguinte formato.

NOME – nome do pacote

VERSÃO – normalmente sempre será mostrado a versão mais recente, porém podemos instalar versões especificas.

RELEASE – release atual do pacote.

ARQUITETURA – vária de acordo com a arquitetura do seu processados.

O arquivo de configuração padrão do yum é o /etc/yum.conf, nele podemos definir qual o diretório de cache dos pacotes, diretório para repositórios adicionais, se as chaves gpg devem ser checadas, arquivo de log e etc.

O diretório padrão dos repositórios é o /etc/yum.repo.d/ ,nele podemos listar todos os repositórios que estão disponíveis em nosso sistema.

Cada arquivo .repo pode conter um ou mais repositórios configurados dentro dele.

OBS: O fato do repositório estar dentro do diretório /etc/yum.repo.d/, não quer dizer que o mesmo esteja ativo para uso em nosso sistema.

Um arquivo de repositório normalmente tem o seguinte formato.

[base] – é o ID do repositório.

name= – nome do repositório

mirrorlist= – espelho de rede para os pacotes

#baseurl= – mesmo que o mirrorlist

gpgcheck= – se deve checar ou não a chave gpg

enable= – se =1 está habilitado, se =0 está desabilitado, se não tiver está opção, significa que está habilitado por padrão.

gpgkey= – caminho para chave gpg

Agora que já conhecemos um pouco sobre o yum, vamos começar a utiliza-lo.

Vamos começar gerenciando os nossos repositórios.

Para listar todos os repositórios em nosso sistema, execute o comando:

# yum repolist

Como podemos ver, temos três repositórios habilitados, mas se verificarmos o diretório /etc/yum.repo.d veremos bem mais repositórios disponíveis, e o comando não listou, isso acontece porque o comando yum repolist só lista os repositórios habilitados, execute o mesmo comando passando um all no final que ele retornará todos os repositórios habilitados e desabilitados.

# yum repolist all

Saída do comando é bem mais amigável também 😉

Podemos obtermos detalhes sobre os repositórios, basta executar o comando:

# yum repoinfo

Se quiser detalhes de apenas um repositório especifico, basta passar o ID do mesmo:

# yum repolist base

Também podemos habilitar repositórios utilizando o yum, sabendo o ID do repositório que desejamos habilitar, por exemplo, o repositório base-source é desabilitado por padrão em uma instalação básica do CentOS 7, como podemos ver na imagem abaixo.

Para habilitarmos basta executar o seguinte comando.

# yum-config-manager --enable base-source

Como podemos ver, o repositório foi habilitado.

Também podemos trabalhar com repositórios específicos, por exemplo, podemos listar todos os pacotes de um determinado repositórios.

# yum repo-pkgs base list

Também podemos instalar um pacote indicando um repositório de instalação.

# yum repo-pkgs base install PACOTE

E podemos remover um pacote específico também.

# yum repo-pkgs base remove PACOTE

Fora os repositórios que vem junto com a instalação do sistema operacional, podemos realizar a instalação de repositórios adicionais.

Mas esse tópico de instalação ficará para um próximo post.

Por enquanto é isso pessoal, temos bastante coisas para falar sobre o yum nos próximos posts dessa serie.

Até a próxima! 😀

Configurando o Postfix para o usar o Gmail ou Outlook como Relay no CentOS 7/Red Hat 7/Oracle Linux 7

Salve Salve Pessoal!

É comum quando criamos scripts de backup ou outros, querermos receber alertas se eles foram bem executados ou não, normalmente agendamos scripts de backup para serem executados a noite ou de madrugada, apesar de podermos enviar um e-mail diretamente do nosso servidor, esbarramos no problema desse e-mail normalmente ser colocado na caixa de spam, assim as vezes acabamos nem vendo que o e-mail chegou.

Para solucionar esse problema, podemos configurar o Postifix para utilizar o Gmail, Outlook e etc como Relay, dessa forma quando enviarmos um e-mail ele não cai na caixa de Spam.

Antes de mais nada precisamos de uma conta em um desses provedores, no Gmail ou Outlook.

Depois que criar a conta em um dos provedores vamos as configurações do Sistema Operacional e Postfix.

1 – Instale as dependências necessárias.

# yum install postfix mailx cyrus-sasl cyrus-sasl-plain -y

2 – Crie o arquivo sasl_passwd contendo os dados do provedor de e-mail, usuário e senha.

# echo "[smtp.gmail.com]:587 EMAIL:SENHA" > /etc/postfix/sasl_passwd (gmail)

# echo "[smtp-mail.outlook.com]:587 EMAIL:SENHA" > /etc/postfix/sasl_passwd (outlook)

OBS: troque o EMAIL pelo e-mail criado e SENHA pela senha criada para o e-mail.

3 – Configure as permissões do arquivo sasl_passwd.

# chmod 600 /etc/postfix/sasl_passwd

4 – Agora precisamos configurar o arquivo de configuração do postfix, o main.cf.

Com seu editor preferido abra o arquivo /etc/postfix/main.cf e insira as seguintes informações:

"relayhost = [PROVEDOR]:587"
"smtp_use_tls = yes"
"smtp_sasl_auth_enable = yes"
"smtp_sasl_security_options ="
"smtp_sasl_password_maps = hash:/etc/postfix/sasl_passwd"
"smtp_tls_CAfile = /etc/ssl/certs/ca-bundle.crt"

OBS: Substitua o nome PROVEDOR POR smtp.gmail.com para o Gmailsmtp-mail.outlook.com para o Outlook.

5 – Vamos compilar o hash da senha configurada no arquivo sasl_passwd.

# postmap /etc/postfix/sasl_passwd

6 – Habilite o serviço do postfix.

# systemctl enable postfix

7 – Inicie/reiniciar o serviço do postfix.

# systemctl restart postfix

8 – Podemos verificar as configurações atuais do postfix executando o comando abaixo.

# postconf -n

9 – Agora execute um teste via linha de comando mesmo.

# mail -s "Teste de email" e-mail@seudominio.com [TECLE ENTER]

Digite o conteúdo do Teste [TECLE ENTER]

. [DIGITE PONTO E TECLE ENTER PARA ENVIAR O E-MAIL]

Pronto, verifique sua caixa de entrada para verificar se o e-mail chegou.

Para facilitar a sua vida, criei um script que faz todo esse processo, quando você executar o script ele vai perguntar a você o endereço de e-mail e a senha, e faz todo o processo por você. 😀

Segue abaixo o link de acesso aos scripts.

https://gitlab.com/eurodrigolira/centos/tree/master/e-mail

Espero que tenha gostado e até a próxima!